terça-feira, 8 de outubro de 2013

A Ovelha Perdida





Se um homem tiver cem ovelhas, e uma delas se extraviar, não deixará ele nos montes as noventa e nove, indo procurar a que se extraviou? Mateus 18:12 (ver versos 11-14)

A parábola do pastor em busca da ovelha perdida é uma representação da terna paciência, da perseverança e do grande amor de Deus. Ao contemplarmos o amor desinteressado de Deus, nosso coração transborda em gratidão, louvor e ação de graças. Rendemos-Lhe louvores pelo dom inestimável de Seu filho unigênito. Não há animal mais indefeso e desnorteado do que a ovelha que se afasta do aprisco. Se o compassivo pastor não sair em busca da ovelha errante, ela nunca encontrará o caminho de volta para o aprisco. O pastor precisa tomá-la em seus braços e carregá-la até o aprisco. [...]

Os fariseus estavam prontos para acusar e condenar Jesus, porque, ao contrário deles, não repeliu e condenou os publicanos e pecadores. [...] Eles pensavam que seriam justificados pela Lei, e não consideraram a compaixão e a misericórdia apresentadas por Jesus em Suas lições como algo necessário de se trazer para a vida prática. [...] Cristo nunca convidou o iníquo para ir até Ele e ser salvo em seus pecados, mas para ser salvo de seus pecados. [...]

Cristo não destinou o plano da salvação a algum povo ou nação em particular. Ele declarou: “Dou a Minha vida pelas ovelhas. Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a Mim Me convém conduzi-las; elas ouvirão a Minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor” (Jo 10:15, 16). [...]

Que todo coração desanimado e receoso crie coragem, mesmo que tenha se comportado impiamente. [...] Não pense que talvez Deus perdoe suas transgressões e permita-lhe entrar em Sua presença. Lembre-se de que foi Deus quem deu o primeiro passo; que Ele saiu à sua procura enquanto você ainda estava em rebelião contra Ele. [...]

Se o zelo e o entusiasmo tidos como necessários para o sucesso em conquistar as coisas deste mundo não forem empregados para buscar a salvação do perdido, o que possui um duplo objetivo – abençoar e nos tonar uma bênção –, o que será? Por meio da conversão, somos pessoalmente colocados em conexão vital com Jesus Cristo, que Se faz em nós sabedoria, justiça, santificação e redenção (Signs of the Times, 22 de janeiro de 1894).

domingo, 6 de outubro de 2013

Comprar demais pode ser uma doença.




Moderação nas compras
A compulsão não está relacionada exclusivamente com o uso de substâncias químicas. Pode estar ligada a outras situações que provocam prazer, como fazer compras ou passar horas em frente do computador.
Com base em estudos americanos, o comprar compulsivo só passou a ser tratado como doença recentemente. Considera-se que uma pessoa é compradora compulsiva quando, em determinado momento, começa a contabilizar prejuízos financeiros, pessoais e de relacionamento provocados pelo descontrole nas compras.
O comprador compulsivo tem algumas características, ele apresenta arrependimento, mente, esconde, muitas vezes deixa a mercadoria na loja e passa para pegar depois. Enfim, ele tem um comportamento para encobrir a compra, porque tem culpa e em geral tem arrependimento. Muitas vezes se arrepende assim que sai da loja.
Embora as pesquisas mostrem que quase todo o mundo, de vez em quando, compra por impulso, porque comprar por impulso faz parte da natureza humana, o comprador compulsivo não cede a essa pressão eventualmente. Cede sempre, em especial se estiver dominado por sentimentos negativos, entristecido, com baixa autoestima e dificuldade de relacionamento.
As compras compulsivas geralmente não envolvem uma avaliação mais criteriosa da necessidade do objeto adquirido. O que excita é o ato de comprar, e não o objeto comprado. Assim, compulsivos costumam adquirir objetos que não irão usar, chegando a comprar, por exemplo, várias cores de um mesmo modelo de sapatos apenas porque não conseguiu controlar um impulso.
Os shoppings favorecem esse tipo de comportamento pelo número e diversidade de lojas que oferecem agrupadas num mesmo espaço. Além disso, contar com cartões de crédito e poder parcelar os pagamentos funcionam como atração e incentivo para novas compras.
A ansiedade em ter tudo da moda, mesmo com o armário abarrotado de roupas é um sinal claro de perda de controle. Você precisa mesmo disso? Quando for comprar, faça um planejamento prévio e tente pagar tudo a vista. Isso não diminui seu poder de compra, mas sim o de conseguir barganhar um desconto.
Julimar Murat Batista  - Economista Doméstica
conheça mais www.facebook.com/economianolar

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Assembléia na carpintaria


Contam que na carpintaria houve uma vez uma estranha assembléia. Foi uma reunião das ferramentas para acertar suas diferenças.

O martelo exerceu a presidência, mas os participantes lhe notificaram que teria que renunciar. A causa? Fazia demasiado barulho e, além do mais, passava todo o tempo golpeando. O martelo aceitou sua culpa, mas pediu que também fosse expulso o parafuso, dizendo que ele dava muitas voltas para conseguir algo. Diante do ataque, o parafuso concordou, mas por sua vez, pediu a expulsão da lixa. Dizia que ela era muito áspera no tratamento com os demais. A lixa acatou, com a condição de que se expulsasse a trena, que sempre media os outros segundo a sua medida, como se fora a única perfeita.
Nesse momento entrou o carpinteiro, juntou o material e iniciou o seu trabalho. Utilizou o martelo, a lixa, a trena e o parafuso. Finalmente, a rústica madeira se converteu num fino móvel. Quando a carpintaria ficou novamente só, a assembléia reativou a discussão. Foi então que o serrote tomou a palavra e disse:
- Senhores, ficou demonstrado que temos defeitos, mas o carpinteiro trabalha com nossas qualidades, com nossos pontos valiosos. Assim, não pensemos em nossos pontos fracos, e concentremo-nos em nossos pontos fortes.
A assembléia entendeu que o martelo era forte, o parafuso unia e dava força, a lixa era especial para limar e afinar asperezas e a trena era precisa e exata. Sentiram-se então como uma equipe capaz de produzir móveis de qualidade. Sentiram alegria pela oportunidade de trabalhar juntos.

Ocorre o mesmo com os seres humanos. Quando uma pessoa busca defeitos em outra, a situação torna-se tensa e negativa. Ao contrário, quando se busca com sinceridade os pontos fortes dos outros, florescem as melhores conquistas humanas.

É fácil encontrar defeitos. Qualquer um pode fazê-lo. Mas encontrar qualidades e enxergar atributos, isto é para os sábios.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

A Força - Os três hebreus na fornalha


Uma postagem feita na “rede social do momento” dizia: “Quem fica de joelhos (sic) para Deus fica em pé em qualquer situação”. Lembrei do evento com Ananias, Misael e Azarias, no início do século VI a.C., na planície de Dura, na Babilônia. Nabucodonosor, maior imperador da época, num ato megalomaníaco, mandou erigir uma estátua de ouro com, aproximadamente, trinta metros de altura e três de largura. Num dia predeterminado todos deveriam estar presentes e se curvar ante a estátua. Os desobedientes seriam queimados vivos numa fornalha superaquecida previamente para este fim. No momento indicado, ao invés de se curvarem, os três jovens ficaram em pé. Irado, o rei deu-lhes nova oportunidade, novamente ficaram em pé. A sentença de morte foi imediata.
O relato afirma que o calor era tão intenso que matou os guardas que lançaram os jovens dentro da fornalha. Quanto aos três, foram vistos andando de um lado para outro dentro da fornalha na companhia de um quarto personagem, com “aparência dos deuses”, segundo o rei. Foi-lhes permitido sair da fornalha e, ao passarem por exame minucioso, feito pelo rei e seus auxiliares, notou-se que nem sua roupa cheirava a queimado. A proteção fora total, apenas as cordas que os prendiam se queimara.
No momento mais difícil de sua vida os três jovens ficaram em pé, pois haviam se acostumado a estar ajoelhados ante o Eterno. Ajoelhar-se para o rei do Universo foi garantia de segurança e vida para os três. Se você deseja estar em pé em toda e qualquer situação da vida a receita é clara, ajoelhe-se para o Pai, só Ele poderá dar-lhe o sustento, o alívio, o conforto e o amparo quando mais precisar. O Deus que não falhou com os três jovens hebreus não falhará com você. A mesma “Força” está à sua disposição agora. Ajoelhe-se e, no devido tempo, sua vitória chegará.
Texto extraído do site www.novasemente.org/blog