domingo, 15 de janeiro de 2012

O Jardim do Getsêmani



Apareceu-Lhe então um anjo do Céu que O fortalecia. Lucas 22:43

Duas grandes batalhas do grande conflito foram travadas em jardins. No jardim do Éden, Adão resolveu desobedecer a Deus. Não resistiu à tentação e escolheu sua vontade em lugar da vontade do Pai. No jardim do Getsêmani, Jesus, o segundo Adão, escolheu fazer a vontade do Pai sobre a Sua vontade. Assim como a decisão de Adão afetou o homem, a decisão de Jesus também teve seu alcance.

Naquela noite, Jesus devia sentir o coração pesado, como nós às vezes sentimos, resultado de grande decepção ou de uma surpresa desagradável. Tudo que é conhecido pelo homem, em termos de tristeza e apreensão, Ele demonstrava em Seu semblante. Se você estivesse ali no Getsêmani, num canto do jardim, escutaria o clamor de Jesus. Era intensa a luta dEle para Se submeter à vontade de Deus. Agonia. Um forte conflito interno. A luta entre duas forças, e o sentimento de solidão.

Lucas diz que apareceu um anjo para socorrer Jesus. Nós também temos anjos para nos ajudar em nosso Getsêmani. O Dr. George Morrison disse: “Cada vida tem seu Getsêmani e cada Getsêmani tem seu anjo.”

A oração de Jesus no Getsêmani não foi de derrota e desespero, foi uma oração de entrega. Foi uma oração de submissão à vontade de Deus. Enquanto Ele fazia essa oração para o Pai, um anjo veio do Céu para fortalecê-Lo.

“Nessa horrível crise, quando tudo estava em jogo, quando o misterioso cálice tremia nas mãos do Sofredor, abriu-se o céu, surgiu uma luz por entre a tempestuosa treva da hora da crise, e o poderoso anjo que se acha na presença de Deus, ocupando a posição da qual Satanás caíra, veio para junto de Cristo. [...] Ele Lhe apontou os Céus abertos, falando-Lhe das almas que seriam salvas em resultado de Seus sofrimentos” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 693).

Jesus fez a mesma oração três vezes. Três vezes foi tentado no deserto, e três vezes foi tentado no Jardim.

Jesus esteve sozinho em Sua agonia para que você não precise estar sozinho. Quando enfrentamos tristeza em nosso próprio Getsêmani, temos a promessa: “Clame a Mim no dia da angústia; Eu o livrarei” (Sl 50:15).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"... que vosso amor cresça cada
vez mais no pleno conhecimento e
em todo o discernimento." - Paulo
(Filipenses. 1:9.)

Postar um comentário