segunda-feira, 30 de maio de 2011

Como Receber Ofensas




Perto de Tóquio vivia um grande samurai, já idoso, que agora se dedicava a ensinar o zen aos jovens. Apesar de sua idade, corria a lenda de que ainda era capaz de derrotar qualquer adversário. Certa tarde, um guerreiro conhecido por sua total falta de escrúpulos apareceu por ali. Era famoso por utilizar a técnica da provocação: esperava que seu adversário fizesse o primeiro movimento e, dotado de uma inteligência privilegiada para reparar os erros cometidos, contra-atacava com velocidade fulminante. O jovem e impaciente guerreiro jamais havia perdido uma luta.

Conhecendo a reputação do samurai, estava ali para derrotá-lo, e aumentar sua fama. Todos os estudantes se manifestaram contra a idéia, mas o velho aceitou o desafio.

Foram todos para a praça da cidade, e o jovem começou a insultar o velho mestre. Chutou algumas pedras em sua direção, cuspiu em seu rosto, gritou todos os insultos conhecidos, ofendendo inclusive seus ancestrais. Durante horas fez tudo para provocá-lo, mas o velho permaneceu impassível. No final da tarde, sentindo-se já exausto e humilhado, o impetuoso guerreiro retirou-se.

Desapontados pelo fato de que o mestre aceitar tantos insultos e provocações, os alunos perguntaram:

- Como o senhor pode suportar tanta indignidade? Por que não usou sua espada, mesmo sabendo que podia perder a luta, ao invés de mostrar-se covarde diante de todos nós?

- Se alguém chega até você com um presente, e você não o aceita, a quem pertence o presente? – perguntou o Samurai.

- A quem tentou entregá-lo – respondeu um dos discípulos.

- O mesmo vale para a inveja, a raiva, e os insultos – disse o mestre. Quando não são aceitos, continuam pertencendo a quem os carregava consigo.

“A sua paz interior, depende exclusivamente de você. As pessoas só podem lhe tirar a calma, se você permitir”.

domingo, 29 de maio de 2011

Primavera em Paris


Dizem que havia um cego sentado na calçada em Paris, com um boné a seus pés e um pedaço de madeira. No boné, estava escrito com giz branco:

"Por favor, ajude-me, sou cego".

Um publicitário, da área de criação, que passava em frente a ele, parou e viu umas poucas moedas no boné. Sem pedir licença, pegou o cartaz, virou-o, pegou o giz e escreveu outro anúncio. Voltou a colocar o pedaço de madeira aos pés do cego e foi embora.

Pela tarde o publicitário voltou a passar em frente ao cego que pedia esmola. Agora, o seu boné estava cheio de notas e moedas.

O cego reconheceu as pisadas e lhe perguntou se havia sido ele quem reescreveu seu cartaz, sobretudo querendo saber o que havia escrito ali.

O publicitário respondeu: "Nada que não esteja de acordo com o seu anúncio, mas com outras palavras". Sorriu e continuou seu caminho. O cego nunca soube, mas seu novo cartaz dizia:

“Hoje é primavera em Paris, e eu não posso vê-la”.

Mudar a estratégia quando nada nos acontece pode trazer novas perspectivas.

Tenha sempre em mente: primeiro Deus chama, escolhe e depois prepara. Sempre foi dessa maneira que Ele trouxe as vitórias na vida dos Heróis da Fé no passado

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Você Gosta de Torradas Queimadas?



Quando eu ainda era um menino, ocasionalmente, minha mãe gostava de fazer um lanche, tipo café da manhã, na hora do jantar.
E eu me lembro especialmente de uma noite, quando ela fez um lanche desses, depois de um dia de trabalho muito duro.
Naquela noite, minha mãe pôs um prato de ovos, linguiça e torradas bastante queimadas, defronte ao meu pai.
Eu me lembro de ter esperado um pouco, para ver se alguém notava o fato.

Tudo o que meu pai fez foi pegar a sua torrada, sorrir para minha mãe e me perguntar como tinha sido o meu dia na escola.
Eu não me lembro do que respondi, mas me lembro de ter olhado para ele lambuzando a torrada com manteiga e geleia e engolindo cada bocado.

Quando eu deixei a mesa naquela noite, ouvi minha mãe se desculpando por haver queimado a torrada.
E eu nunca esquecerei o que ele disse:
” – Adorei a torrada queimada…”

Mais tarde, naquela noite, quando fui dar um beijo de boa noite em meu pai, eu lhe perguntei se ele tinha realmente gostado da torrada queimada.
Ele me envolveu em seus braços e me disse:
” – Companheiro, sua mãe teve um dia de trabalho muito pesado e estava realmente cansada…
Além disso, uma torrada queimada não faz mal a ninguém.
A vida é cheia de imperfeições e as pessoas não são perfeitas.
E eu também não sou o melhor marido, empregado, ou cozinheiro, talvez nem o melhor pai, mesmo que tente todos os dias!
O que tenho aprendido através dos anos é que saber aceitar as falhas
alheias, escolhendo relevar as diferenças entre uns e outros, é uma das chaves mais importantes para criar relacionamentos saudáveis e duradouros.

Desde que eu e sua mãe nos unimos, aprendemos, os dois, a suprir as falhas do outro.
Eu sei cozinhar muito pouco, mas aprendi a deixar uma panela de alumínio brilhando.
Ela não sabe usar a furadeira, mas após minhas reformas, ela faz tudo
ficar cheiroso, de tão limpo.

Eu não sei fazer uma lasanha como ela, mas ela não sabe assar uma carne como eu.
Eu nunca soube fazer você dormir, mas comigo você tomava banho rápido, sem reclamar.
A soma de nós dois monta o mundo que você recebeu e que te apoia, eu e ela nos completamos.

Nossa família deve aproveitar este nosso universo enquanto temos os dois presentes.
Não que mais tarde, o dia que um partir, este mundo vá desmoronar, não vai.
Novamente teremos que aprender e nos adaptar para fazer o melhor.

De fato, poderíamos estender esta lição para qualquer tipo de relacionamento: entre marido e mulher, pais e filhos, irmãos, colegas e com amigos.
Então filho, se esforce para ser sempre tolerante, principalmente com quem dedica o precioso tempo da vida, a você e ao próximo.

“As pessoas sempre se esquecerão do que você lhes fez, ou do que lhes disse. Mas nunca esquecerão o modo pelo qual você as fez se sentir.”

Anônimo

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Com Deus Tudo é Possível

Uma montagem feita com desenhos da Disney.
Não é confessional, nem religioso, mas tem embutido valores cristãos.
Bonito e emocionante.
Buscar, sem ficar esperando que as coisas aconteçam.
Lutar pela verdade e pelo o que vale a pena na vida.
Lutar pela verdadeira felicidade, sem passar por cima dos outros.
Ser diferente em um mundo que quer nos amoldar, deixar de ser mais um e FAZER diferença – pelo bem – na vida da gente e na vida daqueles que nos cercam.
Ir à Luta!!
Com Deus, é possível.TUDO é possível!


quarta-feira, 25 de maio de 2011

Sabedoria do indio



Uma noite, um velho Cherokee contou ao seu neto sobre uma batalha que acontece dentro das pessoas.

Ele disse:

- “Meu filho, a batalha é entre dois “lobos” que estão dentro de todos nós”.

Um é mau: é a raiva, a inveja, o ciúme, a tristeza, o desgosto, a cobiça, aarrogância, a pena de si mesmo, a culpa, o ressentimento, a inferioridade, as mentiras, o orgulho falso, a superioridade e o ego.

O outro é bom: é a alegria, a paz, a esperança, a serenidade, a humildade, abondade, a benevolência, a empatia, a generosidade, a verdade, a compaixão e a fé”.

O neto pensou naquilo por alguns minutos e perguntou ao seu avô:

- "Qual o lobo que vence"?

O velho Cherokee simplesmente respondeu:

- "O que você alimenta".

Pensamento do dia


"A maior prisão que podemos ter na vida é aquela quando a gente descobre que estamos sendo não aquilo que somos, mas o que o outro gostaria que fôssemos.

Geralmente quando a gente começa a viver muito em torno do que o outro gostaria que a gente fosse, é que a gente tá muito mais preocupado com o que o outro acha sobre nós, do que necessariamente nós sabemos sobre nós mesmos.

O que me seduz em Jesus é quando eu descubro que nEle havia uma capacidade imensa de olhar dentro dos olhos e fazer que aquele que era olhado reconhecer-se plenamente e olhar-se com sinceridade.

Durante muito tempo eu fiquei preocupado com o que os outros achavam ao meu respeito. Mas hoje, o que os outros acham de mim muito pouco me importa [a não ser que sejam pessoas que me amam], porque a minha salvação não depende do que os outros acham de mim, mas do que Deus sabe ao meu respeito."


terça-feira, 24 de maio de 2011

Filha, Volte para a casa!


Entregue seu caminho ao Senhor, confie Nele e o mais Ele fará- Sl 35:7

Filha! Volte para a casa!

Foi assim que o Senhor falou para mim:
- Filha,volte para a casa!
- Mas como Senhor?
Eu estudei, fiz faculdade, tenho um bom emprego, ganho bem...como?
-Filha eu estou lhe pedindo.
Não entendia o porquê de o Senhor estar me fazendo aquele pedido.
Tá certo que a minha filhinha estava com1aninho e alguns meses, era loucura a minha vida, para organizar a casa, arrumá-la para levá-la ao berçário, para depois ir para o trabalho. O meu marido se virava com o almoço que mal havia terminado, pois o horário corria de tal forma que não dava para deixar tudo arrumado como deveria, pouco tempo nos restava para uma boa conversa, para uma noite de amor.
-Mas Senhor, não tem jeito?
Tantas mulheres trabalham fora, cuidam de seus filhos, deixam seus filhos em creche...
Mas o Senhor não quis conversa.
-Filha, eu não vejo um caminho de felicidade para você, se continuar insistindo. Você é muito especial para Mim e os Meus sonhos são maiores que os seus. Confie!
Depois de muito relutar, decidi ser obediente a este chamado.
Voltei para casa.       
Deixei o meu emprego, o bom salário que com certeza iria fazer diferença no final do mês e fui me dedicar à família. Era por uma boa causa.
Fui ser dona de casa, mãe, esposa ... Eu que tinha tantos sonhos!
Embora para algumas pessoas pudesse parecer loucura, avaliei minhas ambições profissionais e de me dedicar a este chamado. Conclui que não existe mulher que pode ser 100% mãe e 100% profissional ao mesmo tempo.
Lavar, passar, cozinhar, cuidar da nenê  era o necessário naquele momento da minha vida. Eu precisava me dedicar ao meu casamento e eu tinha uma filha que precisava crescer num ambiente de paz e harmonia.
Não foi fácil.  Muitos questionamentos.
A renda familiar já não tinha a minha ajuda e ficamos um pouco limitados no desejo de fazermos algum programa nos finais de semana, de comprar algo que não estivesse no nosso orçamento.
Mas eu a via crescendo, dando seus primeiros passos para a vida. Suas primeiras palavras, seu primeiro dentinho, quando outros vieram e foram caindo.  Fui desfrutando cada momento especial do seu crescimento.  Seu primeiro dia de aula no colégio, as aulas de balé, reuniões de pais, suas apresentações na academia, eu estava junto.
Ser mãe! Grande mistério Senhor!
Choros de alegria, choros de angústia, choros de esperança...
Momentos tão importantes para o crescimento do individuo. 
Ela crescia e eu entendia e valorizava o papel desempenhado pela minha mãe.
Ela crescia e com ela eu entendia o que é se doar, amar sem nada exigir em troca.
Fui aprendendo a educar, a lidar com as diferenças, dividindo o meu espaço com um serzinho, fruto do grande amor de Deus.
Tempo importante que pudemos desenvolver uma relação de amizade, cumplicidade, de verdadeiro amor.
O Senhor ia me capacitando, me sustentando, me fazendo ver a importância desse chamado e o quanto valeriam à pena.
Aquela nenenzinha foi se tornando menina, mocinha.
Tempo importante que foi dedicado na formação de seu caráter dentro dos princípios éticos, morais e espirituais.  Vivendo e aprendendo a compartilhar com os irmãos menos favorecidos, conhecendo um outro mundo onde existem pessoas que necessitam de afeto, de atenção, de amor, de cuidados e de alimentos.
Dedicávamos um pouco do nosso tempo nessa obra.

Assim ela foi vivendo dentro de uma realidade que lhe era apresentada naquele momento, sem muitas facilidades, mas num ambiente de amor, de carinho, de fidelidade, unidos no verdadeiro amor do Pai.

E hoje o Senhor me revela o quanto foi importante ter aceitado esse chamado.
O quanto foi importante eu ter renunciado dos meus sonhos e ter entregado em Suas mãos as nossas vidas. Fazendo-se cumprir em mim o verdadeiro papel de mãe.
Fazendo-se cumprir em mim a Sua vontade.
Vejo minha filha servindo ao Senhor de forma íntegra, honesta, com um caráter voltado aos princípios divinos.
Que maravilha Senhor! Que obra linda o Senhor pode fazer em minha vida!

Agradeço-lhe Senhor ao Teu chamado. E me chame quando sentir que eu posso Te servir.
Que o Senhor seja a nossa fortaleza nos dias difíceis, o nosso escudo de proteção, que teu Santo nome seja enaltecido e exaltado em nome de nosso Senhor Jesus,

Hoje e sempre.
Amém


Julimar

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Sussurro de Deus



Conta-se que um amigo levou um índio para passear no centro de uma grande cidade. Seus olhos não conseguiam crer na altura dos edifícios e ele mal conseguia acompanhar o ritmo frenético das pessoas indo e vindo.

Espantava-se com o barulho ensurdecedor das sirenes, dos automóveis e das pessoas falando em voz alta.

De repente, o índio falou: "ouço um grilo..."

O amigo espantado retrucou: "impossível ouvir um inseto tão pequeno nesta confusão!"

O índio insistiu que ouvia o cricrilar de um grilo. Tomou seu amigo pela mão e levou-o até um canteiro de plantas. Afastando as folhas, apontou para o pequeno inseto.

Como? Perguntou o rapaz, ainda sem crer.

O índio pediu-lhe algumas moedas e jogou-as na calçada. Quando elas caíram e se ouviu o tilintar do metal, muita gente se voltou.

Então o índio falou: "escutei o grilo porque os meus ouvidos estão acostumados com esse tipo de barulho. As pessoas aqui ouvem o dinheiro caindo no chão porque foram condicionadas a reagir a esse tipo de estímulo."

Depois arrematou: "a gente ouve o que está acostumado ou treinado para ouvir."

É importante fazer algumas reflexões sobre os ensinos que essa pequena história contém.

Vivemos mergulhados numa infinidade de ruídos, de barulhos estranhos, num mundo em que grande parte das pessoas só responde ao estímulo de um tilintar de moedas.

É preciso adestrar nossa audição para ouvir os mínimos sussurros que passam despercebidos no dia-a-dia agitado.

Poderíamos dizer que, se tivéssemos ouvidos bem treinados poderíamos ouvir os sussurros de Deus.

Nesse mundo barulhento deixamos de ouvir sons de profunda beleza, como a melodia suave da brisa da manhã ou a sonoridade encantadora do bater das asas de um beija-flor.

Em meio a tantos interesses materialistas, a homenagem que as velhas e frondosas árvores rendem a cada amanhecer, com a cantoria da sua folhagem, não nos sensibiliza a audição.

O ritmo frenético em que vivemos não nos permite ouvir a cantoria dos pássaros, o coaxar das rãs, o piar da coruja solitária que busca refúgio nos grandes centros.

É preciso treinar a audição mas também desenvolver outras sensibilidades que por vezes parecem amortecidas.

Deixar que o nosso coração se enterneça diante do apelo silencioso de uma criança sem lar...

Do soluço abafado de alguém que perambula sem esperança...

De um pedido de socorro que não chega a vibrar nas cordas vocais...

Do gemido quase mudo que vem do leito de dor da casa vizinha...

Enfim, é preciso preparar todos os sentidos para que possamos ter olhos de ver e ouvidos de ouvir. Mas, acima de tudo, um coração para sentir...

***

Ao abrir os olhos a cada manhã que se inicia, preste atenção em tudo o que Deus pretende lhe mostrar nesse dia.

Aguce os ouvidos para ouvir tudo o que Deus quer que você ouça.

Mas para que você possa bem cumprir os deveres que Deus lhe confia em mais este dia, é preciso alertar também a razão e deixar que o seu coração se sensibilize.

Afinal, para ouvir e sentir os sussurros de Deus, é necessário predispor-se com coragem e disposição e muita grandeza d’alma.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Pela Janela do Trem



Dona Angélica era professora. Residia em uma pequena cidade e dava aulas numa vila próxima.

Não era considerada uma pessoa equilibrada em razão do seu comportamento, que parecia um tanto esquisito.

Os alunos da escola de primeiro grau tinham-na como uma pessoa muito estranha.

Eles observavam que a professora, nas suas viagens de ida e volta do lar à escola, fazia gestos e movimentos com as mãos, que não conseguiam entender, e por esse motivo, pensavam que ela era meio fora do juízo.

Pela janela do trem, dona Angélica fazia acenos como se estivesse dizendo adeus a alguém invisível aos olhos de todos.

As crianças faziam zombarias, criticavam-na, mas ela não sabia, pois os comentários eram feitos às escondidas.

Todos, inclusive os pais e demais professores achavam que ela era maluca, embora reconhecessem que era uma excelente educadora.

Os anos se passavam e a situação continuava a mesma. Várias gerações receberam, da bondosa e dedicada professora, ensinamentos valiosos e abençoados.

Dona Angélica era uma pessoa de boas maneiras, calma e gentil, mas não muito bem compreendida.

Envelhecia no exercício do dever de preparar as crianças para um futuro melhor, com espírito de abnegação e devotamento quase maternal.

Certo dia em que viajava para sua querida escola, com diversas crianças na mesma classe do trem, movimentava, como sempre, as mãos para fora da janela.

Os alunos sentados na parte de trás sorriam maliciosamente, quando Alberto, seu aluno de dez anos, porque amava muito sua mestra, sentou-se ao seu lado e, com ternura, lhe perguntou:

Professora, por que você insiste em continuar com essas atitudes loucas?

Que deseja dizer, filho? Interrogou, surpresa, a bondosa senhora.

Ora, professora - continuou ele, - você fica dando adeuses para os animais, abanando as mãos... Isso não é loucura?

A mestra amiga compreendeu e sorriu.

Sinceramente emocionada, chamou a atenção do aluno, dizendo:

Veja esta bolsa. - E apontou para a intimidade do objeto de couro forrado. Nota o que há aí dentro?

Sim. - Respondeu Alberto. Eu vejo que há algo aí, mas o que é, afinal?

A professora respondeu calmamente: É pólen de flores. São sementes miúdas...

Há quase vinte anos eu passo por este caminho, indo e vindo da escola. A estrada, antes, era feia, árida, desagradável.

Eu tive a ideia de a embelezar, semeando flores. Desse modo, de quando em quando, reúno sementes de belas e delicadas flores do campo e as atiro pela janela...

Sei que cairão em terra amiga e, acarinhadas pela primavera, se transformarão em plantas a produzirem flores, dando cor e alegria à paisagem.

Como você pode perceber, a paisagem já não é mais árida. Há flores de diversos matizes e suave perfume no ar, que a brisa se encarrega de espalhar por todos os lados.

* * *

Na vida, todos somos semeadores...

Uns semeiam flores e descobrem belezas, perfumes e frutos.

Outros semeiam espinhos e se ferem nas suas pontas agudas.

Ninguém vive sem semear, seja o bem, seja o mal...

Felizes são aqueles que, por onde passam, deixam sementes de amor, de bondade, de afeto...

quarta-feira, 18 de maio de 2011

João , o poeta do Amor



João 8:31 Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos;
João 8:32 e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

No seu livro «O Mestre Inesquecível», o psiquiatra Augusto Cury, faz uma análise interessante e pertinente da personalidade do Apóstolo João - antes e depois de conhecer Jesus. Acredito que a sua análise do processo de transformação da personalidade de João é muito útil e proveitosa para cada um de nós.

«Todos têm um conceito de que João foi o mais dócil dos discípulos, o que não corresponde à realidade. Ele transformou-se ao longo da vida, num ser humano repleto de amor, mas, antes de encontrar Jesus e durante a sua caminhada com Ele, a sua emoção flutuava como um pêndulo. João era um adolescente. Tinha momentos de brandura alternados com reacções de intensa agressividade. Tinha momentos de simplicidade alternados com intolerância. Ele foi o único que propôs excluir os opositores».

Mas, paulatinamente, João começou a mudar, graças à sua convivência com o Mestre.

Ele «tinha uma enorme capacidade de observar detalhes. Fotografava os comportamentos de Jesus nos solos da sua memória como um fotógrafo profissional que observa luz, sombra, espaço. Desde cedo, percebeu que Jesus não tolerava a agressividade(...) Tinha de aprender a arte do perdão, a suportar críticas, a receber um "não", a enfrentar injustiças(...) João bebia continuamente da afectividade e da sabedoria de Jesus(...)

O tempo passou e foi contagiado pelo amor de Jesus. Começou a olhar as pessoas com os olhos do coração. Olhava-as além da cortina dos seus comportamentos. Passou a entender que, por detrás de uma pessoa agressiva, falsa, arrogante, havia alguém em conflito, que teve uma infância infeliz. Desse modo, a intolerância foi dando espaço à gentileza. O julgamento precipitado foi dando lugar à compreensão. A indiferença foi substituída pela sublime preocupação com a dor dos outros.Tinha aprendido a navegar noutras águas, nas águas da emoção.

Com Jesus, poderia enfrentar dificuldades maiores do que as tempestades do mar, mas a sua vida só teria sentido se estivesse ao lado do seu Mestre. João encorajou os cristãos a cortarem as amarras do egoísmo irracional e a aprenderem a doar-se uns aos outros como Jesus se doara a eles(...) Para João, quem não ama não conhece a Deus. Uma pessoa pode ter cultura teológica e aparente espiritualidade, mas se não amar, a sua vida é teatral e vazia. Para ele, o verdadeiro amor rompe a prisão do medo. Que tipo de medo? O medo do amanhã, do desconhecido, de ser criticado, de ser incompreendido, de empobrecer, de contrair doenças, de morrer, de ser punido por Deus.
O medo rouba a tranquilidade, mas o verdadeiro amor apazigua as águas da emoção e produz paz.»
                                            O Mestre Inesquecível - Augusto Cury

O exemplo do Apóstolo João é paradigmático para todos os que humildemente reconhecem os seus defeitos, falhas, limites e imperfeições e desejam uma transformação profunda, verdadeira, construtiva.
Não podemos desfrutar do privilégio, do prazer e da alegria indescritíveis de estar na presença física do Mestre Jesus; de poder olhá-Lo nos olhos, senti o calor afectuoso do Seu abraço, ouvir a Sua voz pronunciar palavras de sabedoria, amor, perdão. Contudo, Jesus está vivo e a Sua presença pode ser sentida por todos os que humildemente O buscam, bebem avidamente das suas palavras e ensinamentos, e sentem a força, sabedoria e amor que emanam do Seu Espírito e penetram no coração de quem O recebe inteiramente.

Jesus ama-nos incondicionalmente. Quando tivermos bem conscientes e convictos desse amor que excede qualquer entendimento, então aí começa verdadeiramente o nosso processo de transformação. Num coração cheio de amor, não há lugar para o medo paralisante, o egoísmo sufocante, a intolerância irracional, o preconceito limitador...

Mas, a transformação é lenta, gradual - com avanços e recuos. Neste processo, não há milagres. Jesus nunca realizou o milagre da transformação instântanea de uma personalidade como a de João. Este processo exige paciência, perseverança e absoluta confiança no poder transformador e regenerador do Amor de Deus. Exige sobretudo muita oração, recolhimento, meditação na Palavra de Deus; e uma entrega sem medos, sem julgamentos, sem autocensura e autorecriminação. Temos de ter absoluta confiança que Deus é Amor e que nos ama incondicionalmente. Se aceitarmos esse Amor Gratuito de Deus, a transformação ocorrerá naturalmente; pois à medida que caminhamos com Deus e em Deus, com absoluta confiança no Seu Amor, Ele mesmo produzirá em nós a mudança profunda e íntima.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

O Olhar de Jesus



No evangelho de Lucas( 22; 60-62) lemos a seguinte passagem:

«Mas Pedro disse: Homem, não sei o que dizes.
Imediatamente, enquanto ele ainda falava,
o galo cantou e o Senhor, voltando-Se,
fixou o olhar em Pedro... E Pedro, saindo,
chorou amargamente».

Eu tinha um relalcionamento bastante bom com o Senhor. Conversava com Ele, pedia-Lhe coisas, louvava-O, agradecia-Lhe. Mas tinha sempre um sentimento ou sensação inesquecível de que Ele queria que eu olhasse bem no fundo dos Seus olhos... E isto eu não queria. Conversava muito, mas desviava os olhos, cada vez que percebia que Ele estava a olhar para mim. Sim, olhava sempre para outro lado. E eu sabia porquê! Tinha medo. Receava encontrar uma acusação nos olhos d´Ele: algum pecado não arrependido. Mas pensava também poder encontrar, naquele olhar, algum pedido: algo que Ele quisesse de mim.
Um dia, finalmente, juntei toda a minha coragem e olhei! Não havia acusação alguma. Nem exigência ou pedido. Aqueles olhos diziam-me, simplesmente: «Eu amo-te!». Nessa altura eu olhei-os ainda mais no fundo com a persistência de quem procura algo. Nada encontrei, apenas a mensagem de sempre: «Eu amo-te!». Como Pedro, também eu saí... e chorei.

O olhar de Jesus é misericordioso, para aqueles que buscam seu socorro. Se nossas virtudes resumissem apenas a uma única gota d'água no fundo de um copo vazio, Ele volveria seus olhos para ela e nos diria: Me alegra que isto esteja em teu coração. Este é o olhar de Jesus.

O canto do pássaro
de Anthony de Mello

A Mulher Virtuosa e a Mulher Comum



Jesus disse:

Toda mulher sábia edifica a sua casa; a insensata, porém, derruba-a com as suas mãos.
Provérbios 14:1

Agora, pois, minha filha, não temas; tudo quanto disseres te farei, pois toda a cidade do meu povo sabe que és mulher virtuosa. Rute 3:11

Será que nós estamos sendo sábias, ou insensatas? Temos que ser exemplo, de mãe, de esposa, de mulher, de filha...
Vou deixar um texto muito interessante que achei na internet, para meditação:
A DIFERENÇA ENTRE A MULHER VIRTUOSA E A COMUM

Quando uma mulher virtuosa erra, diz: ‘Enganei-me’, e aprende a lição.
Quando uma mulher comum erra, diz: ‘A culpa não foi minha’, e responsabiliza a terceiros.”

“Uma mulher virtuosa sabe que a adversidade é o melhor dos mestres.
Uma mulher comum sente-se vítima perante uma adversidade.”

“Uma mulher virtuosa sabe que o resultado das coisas depende de sacrifício.
Uma mulher comum acha-se incapaz de fazer mais.”

“Uma mulher virtuosa trabalha muito e arranja sempre tempo para tudo.
Uma mulher comum está sempre ‘muito ocupada’ e não pode fazer mais nada.”

“Uma mulher virtuosa enfrenta os desafios um a um.
Uma mulher comum contorna os desafios e nem se atreve a enfrentá-los”

“Uma mulher virtuosa compromete-se, dá a sua palavra e cumpre.
Uma mulher comum faz promessas, não se esforça e quando falha só sabe justificar-se.”

“Uma mulher virtuosa diz: ‘Preciso a cada dia ser mais virtuosa’.
Uma mulher comum diz: ‘Não sou tão mau assim; há muitas piores que eu’

“Uma mulher virtuosa ouve, compreende e responde.
Uma mulher comum não espera que chegue a sua vez de falar”

“Uma mulher virtuosa respeita as que sabem mais e procura aprender algo com elas.
Uma mulher comum resiste a todas as que sabem mais e fica procurando defeitos nelas”

“Uma mulher virtuosa sente-se responsável por algo e dá o seu melhor.
Uma mulher comum não se compromete nunca e diz: “Faço o que der”

“Uma mulher virtuosa diz: ‘Deve haver uma melhor forma de fazer isso…’
Uma mulher comum diz: ‘Sempre fizemos assim. Não há outra maneira.’

“Uma mulher virtuosa procura sempre ver o lado bom das demais pessoas.
Uma mulher comum evidencia o lado negativo”

“Uma mulher virtuosa edifica seu lar, pois as atitudes dela são baseadas nos pensamentos de Deus.
Uma mulher comum com as próprias mãos destrói seu lar, através de atitudes baseadas nos sentimentos”

“Uma mulher virtuosa sabe que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”.
Uma mulher comum vê injustiças e desigualdades quando é “afetada”.

“Uma mulher virtuosa é PARTE DA SOLUÇÃO.
Uma mulher comum é PARTE DO PROBLEMA”

“Uma MULHER VIRTUOSA como você, lê isso, FICA FELIZ e procura melhorar.
Uma MULHER COMUM como as outras, lê isso, FICA REVOLTADA e acha que perdeu tempo lendo”

E você que mulher é?

Uma Boa semana!

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Eu Sou a Luz do Mundo


Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.(Jo 8.12)

Todas as noites antes de fazer os filhos adormecerem, um pai muito carinhoso conversava com eles, enquanto afagava-lhes os cabelos anelados.

Diariamente escolhia um assunto que encontrava no evangelho, ou em algum acontecimento do cotidiano.

Naquela noite sem luar, quando as nuvens encobriam as estrelas, ele arranjou uma forma diferente de chamar a atenção das crianças.

Colocou-as no sofá da sala e disse-lhes que não se assustassem com a escuridão, porque apagaria todas as luzes da casa, de propósito.

E assim o fez.

Deixou a casa às escuras e sentou-se no meio dos filhos que o aguardavam apreensivos.

Perguntou-lhes o que eles eram capazes de ver em meio àquele breu.

O menininho mais velho comentou que conseguia distinguir os contornos da cadeira que estava a sua frente, mas que não conseguia saber ao certo qual objeto produzia a sombra que se apresentava um pouco mais adiante.

O pai, aproveitando a oportunidade esclareceu: "nossos olhos acostumam-se com a ausência de luz e acabam conseguindo, com algum esforço, distinguir alguns objetos.

Porém, não é possível notar tudo quando a luz nos falta.

Alguns contornos podem enganar nossos sentidos.

Muitos detalhes passam despercebidos.

As cores deixam de ser perceptíveis.

A ausência de luz dificulta nosso caminhar, porque não conseguimos notar com segurança para aonde estamos indo."

Nesse momento, ele acendeu uma vela que trazia consigo.

As crianças exultaram diante da claridade que se fez na sala.

"Vejam!" - convidou o pai -"percebam como tudo parece diferente na presença da luz.

As sombras já não mais nos confundem.

Agora as formas assumem contornos mais exatos.

Como é mais fácil buscar um caminho, quando há luz a mostrar a direção correta."

Encantadas com a singela, porém, inesquecível descoberta, as crianças concordaram com o pai, enquanto o cobriam de carinhos antes de serem levados para a cama.

Jesus diz: "Eu sou a luz que vim ao mundo, para que todo aquele que crê em mim não permaneça nas trevas." (João 12:46).

Abra o seu coração hoje e deixe que Jesus seja a luz que ilumina o seu caminho, te tire de uma vida de trevas e o leve para uma vida de luz na presença de Deus.

Feliz Sábado!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

A poesia suave de Jesus


O evangelho de Jesus é um poema à simplicidade. Não requer explicações metafísicas nem elasticidade filosófica para entendê-lo.

Olhai as aves do céu; não semeiam nem ceifam,mas nosso pai celestial as alimenta. É a lição do desprendimento.

Aquele que põe a mão no arado e olha para trás não está apto ao reino de Deus. É a lição da perseverança.

Aquele que estiver sem pecado que atire a primeira pedra. É a lição da auto-análise.

Quando fordes convidados para um banquete senta no último lugar. É a lição da humildade.

Aquele que quer ser o maior, que seja o que mais serve. É a lição da caridade.

Vinde a mim todos vós que estás aflitos e sobrecarregados e eu vos aliviarei. É a lição do acolhimento.

Aprendei de mim que sou manso e humilde de coração. É a lição da delicadeza.

Reconcilia-te com o teu inimigo enquanto estás a caminho com ele. É a lição da paz.

Saiu o semeador a semear sua semente. É a lição do trabalho.

Para entrar no reino do céu é necessário nascer de novo. É a lição da volta.

O filho do homem veio para servir e não para ser servido. É a lição da nobreza.

Seja o vosso falar sim, sim e não, não. É a lição da firmeza.

Tratai a todos como gostarias de ser tratado. É a lição da justiça.

Vai e não peques mais! É a lição da resistência.

Lázaro, levanta-te e anda! É a lição da fé.

Procure Jesus nas coisas simples; na lágrima, no afago, na alegria pura, no trabalho honesto, no gesto fraterno, no poema à vida, enfim, em tudo que eleva e ilumina. Por isso é tão dificil para a ciência e para a filosofia encontrá-lo.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Viajando Pelo Caminho Estreito



O relacionamento com Deus torna-se cada vez mais individualizado e penoso na difícil viagem pelo caminho estreito, exigindo crescente e total confiança em Deus e dependência exclusiva dEle.

Enquanto estive em Battle Creek, Michigan, em agosto de 1868, sonhei que estava com uma grande multidão. Parte daquela assembléia mostrava-se preparada para viajar. Tínhamos carroças abarrotadas. Caminhando nós, a estrada parecia subir. De um lado havia um profundo precipício; e do outro, uma muralha alta, lisa e branca, como paredes com acabamento em gesso.
À medida que avançávamos, a estrada se tornava mais estreita e íngreme. Nalguns lugares parecia tão estreita que concluímos não mais poder viajar com as carroças carregadas. Desatrelamos os animais para, com parte da bagagem, prosseguir a viagem a cavalo.
Prosseguindo nós, o caminho continuava ainda a estreitar-se. Fomos obrigados a andar junto à muralha para não cair do caminho estreito ao precipício. Fazendo isso, a bagagem sobre os cavalos apertava-se contra a parede e nos fazia pender sobre o precipício. Receávamos cair e ser despedaçados nas rochas. Retiramos a bagagem de sobre os cavalos e ela tombou no precipício. Continuamos a cavalo, receando grandemente que, ao chegar aos lugares mais estreitos do caminho, perdêssemos o equilíbrio e caíssemos. Em tais ocasiões, uma mão parecia tomar as rédeas e guiar-nos pelo perigoso caminho.

Tornando-se o caminho mais estreito, vimos que não mais seria possível ir com segurança a cavalo; deixamo-los e prosseguimos a pé, em fila, um seguindo as pegadas do outro. Neste ponto apareceram pequenas cordas que caíam do alto da alvíssima muralha; estas foram avidamente agarradas por nós para nos ajudarem a manter o equilíbrio no caminho.
Enquanto caminhávamos, a corda prosseguia conosco. O caminho se tornou finalmente tão estreito que concluímos poder viajar com maior segurança sem calçados; assim, nós os tiramos dos pés e continuamos certa distância sem eles. Logo decidimos que poderíamos viajar com mais segurança sem meias; estas foram removidas e continuamos a viajar descalços.
Pensamos então naqueles que não se haviam acostumado com privações e dificuldades. Onde estavam eles agora? Não se achavam na multidão. Em cada mudança que se fazia, alguns eram deixados atrás, e apenas permaneciam aqueles que se haviam acostumado a suportar dificuldades. As privações do caminho apenas faziam com que estes se tornassem mais ávidos de avançar até ao fim.

Nosso perigo de cair do caminho aumentou. Encostávamos junto à muralha branca, mas não podíamos firmar totalmente os pés no caminho, pois ele era estreito demais. Apoiamos então quase todo o nosso peso nas cordas, exclamando: "Temos apoio de cima! Temos apoio de cima!" As mesmas palavras foram proferidas pela multidão toda, no caminho estreito. Estremecíamos ao ouvir o rumor de divertimento e orgia que pareciam vir do abismo. Ouvimos o juramento profano, o gracejo banal e cânticos baixos e vis. Ouvi o cântico de guerra e a música de dança. Ouvi música instrumental e altas gargalhadas misturadas com maldições, gritos de angústia e pranto amargurado, e ficamos mais preocupados do que nunca em nos conservar no caminho estreito e difícil. Grande parte do tempo éramos obrigados a ficar com todo o nosso peso suspenso nas cordas, que aumentavam de tamanho enquanto prosseguíamos.
Notei que a bela parede branca estava manchada de sangue. Dava um sentimento de pena ver-se a parede assim manchada.

Este sentimento, porém, não durou senão um momento, pois logo achei que tudo era como deveria ser. Os que vêm seguindo atrás saberão que, antes deles, outros passaram pelo caminho estreito e difícil, e concluirão que, se outros foram capazes de seguir avante, eles poderão fazer o mesmo. E, ao sangrarem seus pés doloridos, não desfalecerão de desânimo; antes, vendo o sangue na parede, saberão que outros suportaram a mesma dor.

Chegamos finalmente a um grande abismo, onde terminava o nosso caminho. Nada havia agora para nos guiar os pés, nada em que pudéssemos repousar. Devíamos então depender inteiramente das cordas, que tinham aumentado até ao tamanho de nosso corpo. Ali estivemos por algum tempo imersos em perplexidade e angústia. Indagamos em tímido cochicho: "Em que estará presa a corda?" Meu esposo estava precisamente diante de mim. Grandes gotas de suor caíam-lhe da fronte, as veias de seu pescoço e têmporas haviam crescido tanto que atingiam duas vezes seu volume normal, e gemidos abafados e agonizantes vinham de seus lábios. O suor escorria-me pelo rosto, e eu experimentava uma angústia tal como ainda não havia provado. Terrível luta estava diante de nós. Fracassássemos ali, e todas as dificuldades de nossa jornada teriam sido em vão.

Diante de nós, do outro lado do abismo, havia um belo campo de relva verde, de aproximadamente quinze centímetros de altura. Eu não podia ver o Sol; mas raios de luz, brilhantes e suaves, assemelhando-se ao ouro e à prata fina, incidiam sobre o campo. Coisa alguma que eu houvesse visto sobre a Terra poderia comparar-se em beleza e glória com aquele campo. Mas nos seria possível alcançá-lo? - essa era a ansiosa indagação. Se a corda se partisse, haveríamos de perecer. Outra vez em angustioso cochicho, foram sussurradas as palavras: "Em que estará presa a corda?"
Por alguns momentos hesitamos em nos arriscar. Então exclamamos: "Nossa única esperança está em confiar inteiramente na corda. Dela temos dependido em todo o caminho difícil. Ela não falhará agora." Ainda estávamos hesitantes e angustiados. Foram então proferidas estas palavras: "Deus segura a corda. Não devemos temer." Estas palavras foram então repetidas por aqueles que estavam atrás de nós, e acompanhadas destas outras: "Ele não nos faltará agora. Trouxe-nos até aqui em segurança."
Meu marido deu então um salto por sobre o assustador abismo ao belo campo além. Eu segui imediatamente. Oh, que sensação de alívio e gratidão a Deus experimentamos! Ouvi levantarem-se vozes em louvor triunfal a Deus. Eu era feliz, perfeitamente feliz.
Despertei, e vi que, pela ansiedade que experimentara ao passar pelo caminho difícil, todos os meus nervos pareciam estar a tremer. Esse sonho não necessita de comentário. Produziu-me uma impressão tal que provavelmente cada minúcia permanecerá vívida diante de mim enquanto minha memória perdurar.

Vida e Ensinos, págs. 179-184 Ellen G.White

domingo, 8 de maio de 2011

Doutoras ...


Certo dia, uma mulher chamada Anne foi renovar a sua carteira de motorista.

Quando lhe perguntaram qual era a sua profissão, ela hesitou.

Não sabia bem como se classificar.

O funcionário insistiu: O que eu pergunto é se tem um trabalho.

Claro que tenho um trabalho, exclamou Anne. Sou mãe.

Nós não consideramos isso um trabalho. Vou colocar dona de casa, disse o funcionário friamente. Uma amiga sua, chamada Marta, soube do ocorrido e ficou pensando a respeito por algum tempo.

Num determinado dia, ela se encontrou numa situação idêntica.

A pessoa que a atendeu era uma funcionária de carreira, segura, eficiente.

O formulário parecia enorme, interminável. A primeira pergunta foi: Qual é a sua ocupação? Marta pensou um pouco e sem saber bem como, respondeu: Sou doutora em desenvolvimento infantil e em relações humanas.

A funcionária fez uma pausa e Marta precisou repetir pausadamente, enfatizando as palavras mais significativas.

Depois de ter anotado tudo, a jovem ousou indagar: Posso perguntar o que é que a senhora faz exatamente?

Sem qualquer traço de agitação na voz, com muita calma, Marta explicou: Desenvolvo um programa a longo prazo, dentro e fora de casa.

Pensando na sua família, ela continuou: Sou responsável por uma equipe e já recebi quatro projetos.

Trabalho em regime de dedicação exclusiva.

O grau de exigência é de 14 horas por dia, às vezes até 24 horas.

À medida que ia descrevendo suas responsabilidades, Marta notou o crescente tom de respeito na voz da funcionária, que preencheu todo o formulário com os dados fornecidos.

Quando voltou para casa, Marta foi recebida por sua equipe: uma menina com 13 anos, outra com 7 e outra com 3.

Subindo ao andar de cima da casa, ela pôde ouvir o seu mais novo projeto, um bebê de seis meses, testando uma nova tonalidade de voz.

Feliz, Marta tomou o bebê nos braços e pensou na glória da maternidade, com suas multiplicadas responsabilidades. E horas intermináveis de dedicação.

Mãe, onde está meu sapato? Mãe, me ajuda a fazer a lição? Mãe, o bebê não para de chorar. Mãe, você me busca na escola? Mãe, você vai assistir a minha dança? Mãe, você compra? Mãe... Sentada na cama, Marta pensou: Se ela era doutora em desenvolvimento infantil e em relações humanas, o que seriam as avós?

E logo descobriu um título para elas: :Doutoras-sênior em desenvolvimento infantil e em relações humanas.

As bisavós, Doutoras executivas sênior.

As tias, doutoras-assistentes.

E todas as mulheres, mães, esposas, amigas e companheiras: Doutoras na arte de fazer a vida melhor.

* * *

No mundo em que os títulos são importantes, em que se exige sempre maior especialização, na área profissional, torne-se especialista na arte de amar.

Como excelente mestra, ensine aos seus filhos, através do seu exemplo, a insuperável arte de expressar sentimentos.

Ensine a difícil arte de interpretação de choro de bebê e de secar lágrimas de adolescente. Exemplifique a renúncia, a paciência e a diplomacia. E colha, vitoriosa, ao final de cada dia, os louros do seu esforço nos abraços dos seus filhos e na espontaneidade de suas manifestações de afeto.


FELIZ DIA DAS MÃES!

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Momento Saúde

 Nutricionista lista os 10 piores alimentos para sua saúde

Que atire a primeira pedra quem não se rende a um fast food, salgadinho ou cachorro-quente e depois fica preocupado com as calorias que ingeriu. Mas o que pouca gente sabe é que os perigos desses alimentos vão muito além da questão estética e podem ser um risco para a saúde. Para esclarecer esses problemas, a nutricionista Michelle Schoffro Cook listou os dez piores alimentos de todos os tempos.

10º lugar: Sorvete


Apesar de existirem versões mais saudáveis que os tradicionais sorvetes industrializados, a nutricionista adverte que esse alimento geralmente possui altos níveis de açúcar e gorduras trans, além de corantes e saborizantes artificiais, muitos dos quais possuem neurotoxinas – substâncias químicas que podem causar danos no cérebro e no sistema nervoso.

9º lugar: Salgadinho de milho


De acordo com Michelle, desde o surgimento dos alimentos transgênicos a maior parte do milho que comemos é um “Frankenfood”, ou “comida Frankenstein”. Ela aponta que esse alimento por causar flutuação dos níveis de açúcar no sangue, levando a mudanças no humor, ganho de peso, irritabilidade, entre outros sintomas. Além disso, a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo, que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.

8º lugar: Pizza


Michelle destaca que nem todas as pizzas são ruins para a saúde, mas a maioria das que são vendidas congeladas em supermercados está cheia de condicionadores de massa artificiais e conservantes. Feitas farinha branca, essas pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro, causando aumento de peso e desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.

7º lugar: Batata frita


Batatas fritas contêm não apenas gorduras trans, que já foram relacionadas a uma longa lista de doenças, como também uma das mais potentes substâncias cancerígenas presentes em alimentos: a acrilamida, que é formada quando batatas brancas são aquecidas em altas temperaturas. Além disso, a maioria dos óleos utilizados para fritar as batatas se torna rançosa na presença do oxigênio ou em altas temperaturas, gerando alimentos que podem causar inflamações no corpo e agravar problemas cardíacos, câncer e artrite.

6 lugar: Salgadinhos de batata


Além de causarem todos os danos das batatas fritas comuns e não trazerem nenhum benefício nutricional, esses salgadinhos contêm níveis mais altos de acrilamida, que também é cancerígena.

5º lugar: Bacon


Segundo a nutricionista, o consumo diário de carnes processadas, como bacon, pode aumentar o risco de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Um estudo da Universidade de Columbia descobriu ainda que comer 14 porções de bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças ligadas ao órgão.

4º lugar: Cachorro-quente


Michelle cita um estudo da Universidade do Havaí, que mostrou que o consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer de pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado tanto no cachorro-quente quanto no bacon é o nitrito de sódio, uma substância cancerígena relacionada a doenças como leucemia em crianças e tumores cerebrais em bebes. Outros estudos apontam que a substância pode desencadear câncer colorretal.

3º lugar: Donuts (Rosquinhas)


Entre 35% e 40% da composição dos donuts é de gorduras trans, “o pior tipo de gordura que você pode ingerir”, alerta a nutricionista. Essa substância está relacionada a doenças cardíacas e cerebrais, além de câncer. Para completar, esses alimentos são repletos de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares, e contém, em média, 300 calorias cada.

2º lugar: Refrigerante


Michelle conta que, de acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola, “uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos”. “Somente isso já deveria fazer você repensar seu consumo de refrigerantes”, diz a nutricionista.

Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, ela informa que os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.

1º lugar: Refrigerante Diet


“Refrigerante Diet é a minha escolha para o Pior Alimento de Todos os Tempos”, diz Michelle. Segundo a nutricionista, além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet. De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte.

“Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e pós-pólio. É por isso que eu dou ao Refrigerante Diet o prêmio de Pior Alimento de Todos os Tempos”, conclui.

Não Existem Dois Iguais



Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe. Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Digo isso com convicção. Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir.  Salmo 139. 13-16
                                  
Outro dia assistindo um filme, uma trama cheia de tiros, violência e ação, típica das produções de Wesley Trent Snipes, me perguntei
- Toda essa confusão foi por causa dessa pintura, porque?

Respondi sem pensar...
- Era um Van Gogh...

E me  perguntei como uma pintura pode valer mais de 80 milhões de dólares?
Pela tinta usada não é...
Pela tela usada também não...
Muito menos pela moldura...

A OBRA VALE PELO SEU AUTOR!

Então me diga, quanto você vale?
Você é obra de Deus...tem dolar no mundo capaz de cobrir seu valor?
“Tu me tecestes no ventre de minha mãe”. Salmos 139:13

“Tecestes” é o método como o salmista descreve o processo de Deus para criar o homem. O homem não foi fabricado ou produzido em massa, mas tecido. Cada linha de personalidade foi delicadamente entrelaçada. Cada fio de temperamento, cuidadosamente selecionado.

Deus como criador. Pensativo. Entusiasmado. Criativo.

Um artista com um pincel na paleta, à procura da sombra perfeita.

Um compositor, com os dedos sobre o teclado, prestando atenção no acorde exato. Um poeta, com a caneta equilibrada sobre o papel, à espera da palavra preciosa. O Criador, o mestre na arte de tecer, costurando a alma. Cada uma de um modo diferente. Não existem duas iguais. Nenhuma idêntica.

Você não é produto de uma linha de montagem, foi deliberadamente planejado, especialmente capacitado, posto com amor neste mundo pelo próprio criador. Deus sonhou com você, e Ele queria que você fosse exatamente assim como você é, diante dos olhos de Deus você é perfeito, até mesmo seus pecados são encobertos pelo precioso sangue de Jesus. O Senhor tem um próposito para sua vida, ele não trouxe você ao mundo por acaso, procure se conhecer e busque intimidade com Deus para que Ele mostre qual a vontade para a sua vida.

Oração: Pai querido, obrigado pelo seu amor e pelo seu cuidado em planejar cada detalhe da minha vida. Sei que o Senhor tem um sonho para a minha vida, revela qual é o Seu propósito e faz com que Sua vontade se cumpra na minha vida. Eu desejo que os meus caminhos sejam os Teus caminhos, e que eu busque intimidade como o Senhor cada dia mais. Eu oro em nome de Jesus. Amém.


Fonte: “Você a idéia mais fantástica de Deus”,
de Max Lucado

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Você foi convidado para o casamento?



Assim como eu, imagino que você também não tenha sido convidado para o casamento do príncipe William Arthur Philip Louis e Catherine Middleton, na Abadia de Westminster, em Londres.
Aliás, quem convidar é um dos grandes dramas de quem vai casar. Nem sempre dá para convidar todo mundo e sempre alguém acaba sendo esquecido.

A Bíblia tem muitos relatos de casamento. De noiva “empacotada” - que é recebida com alegria na noite de núpcias e, na luz do dia, não era exatamente aquela prometida e acertada com o sogro - até convidados despreparados que acabam ficando de fora da festa.

Uma das parábolas de Jesus que me chama muito a atenção é a de um casamento real. Só o “jornalista” Mateus registrou, no capítulo 22. O casamento era do príncipe herdeiro.

Curiosamente, os convidados não quiseram ir. O rei tenta trazê-los com um segundo convite. Também não deu certo. “Eles, porém, não se importaram [com o convite] e se foram, um para o seu campo, outro para o seu negócio; e os outros, agarrando os servos, os maltrataram e os mataram” (versos 5 e 6). A indignação do rei foi grande! Os assassinos foram mortos e a cidade deles destruída. Está evidenciada aí a recusa dos judeus, da época, ao evangelho de Jesus.

O rei, porém, insiste no casamento e na festa do príncipe. O convite é franqueado a todos, de qualquer lugar ou situação social, econômica, racial ou espiritual. Agora, sim, dá resultado!” A casa do banquete fica repleta de convidados” (verso 10).

Como era tradição da época, os ricos ofereciam, além do convite, as vestes para as bodas. “Com que roupa eu vou?” não era a preocupação das mulheres. Nem dos homens. Havia um padrão oficial. Todos os exageros eram, dessa forma, contornados.

Porém, no meio da festa o rei encontra uma “nota destoante”. Um convidado não está com a veste nupcial. A ofensa é grande e, por causa disso, é expulso da confraternização. Só esse detalhe e seu significado exigiriam uma postagem específica sobre a justiça de Cristo – a única “veste” que pode garantir nossa presença e convivência diante do Rei.

Quero, porém, sublinhar aqui o detalhe factual mais importante: o convite é extensivo a todos. Livre acesso. Sangue azul ou não. Ninguém precisa ficar fora do casamento do Príncipe Emanuel. Você e eu fomos convidados. Inclusive com direito à magnífica vestimenta que nenhum estilista humano pode criar ou imitar. É aceitar e vestir.

O casamento do príncipe está marcado. O convite também. “O Espírito e a noiva dizem: Vem! Aquele que ouve, diga: Vem!” (Apocalipse 22:17). Vamos lá, então?

Amilton Menezes

Uma carta de Deus para Você !




Meu Filho...

Pode ser que você não me conheça, mas Eu conheço tudo sobre você… (Salmos 139:1)

Eu sei quando te sentas e quando te levantas… (Salmos 139:2)

Todos seus caminhos Eu conheço… (Salmos 139:3)

E todos os cabelos de sua cabeça estão contados… (Mateus 10:29-31)

Porque você foi feito a minha imagem… (Gênesis 1:27)

Em mim você vive , se move e existe… (Atos 17:28)

Porque você é minha descendência…(Atos 17:28)

Te conheci ainda antes que você nascesse… (Jeremías 1:4-5)

Eu te escolhi quando planejei a criação… (Efésios 1:11-12)

Você não foi um erro, porque todos os seus dias estão escritos em meu livro… (Salmos 139:15-16)

Eu determinei o tempo exato de seu nascimento e onde viverías…(Atos 17:26)

Você foi criado de forma maravilhosa… (Salmos 139:14)

Eu te formei no ventre de sua mãe… (Salmos 139:13)

Eu tirei a você do ventre de sua mãe no dia em que nasceste… (Salmos 71:6)

Eu não estou aborrecido nem distante, sou a manifestação perfeita do amor… (1ºJoão 4:16)

E é o meu desejo gastar meu amor em ti, simplesmente porque você é meu filho e eu o teu Pai…(1ºJoão 3:1)

Te ofereço muito mais que o que teu pai terreno poderia dar-te (Mateus 7:11)

Porque Eu sou o Pai Perfeito… (Mateus 5:48)

Cada dádiva que você recebe vem de minhas mãos… (Tiago 1:17)

Pois Eu sou o seu provedor e supro todas as suas necessidades. (Mateus 6:31-33)

Meu plano para o seu futuro tem sido sempre cheio de esperança. (Jeremias 29:11)

Porque Eu te amo com amor eterno… (Jeremias 31:3)

Meus pensamentos sobre você são incontáveis como a areia do mar… (Salmos 139:17-18)

Me regozijo sobre ti con cânticos… (Sofonias 3:17)

Eu nunca pararei de fazer o bem para você… (Jeremías 32:40)

Porque você é o meu tesouro mais precioso… (Êxodo 19:5)

Eu desejo afirmar dando todo meu coração e toda a minha alma…(Jeremias 32:41)

E Eu quero te mostrar coisas grandes e maravilhosas… (Jeremias 33:3)

Se me buscar con todo seu coração, me encontrará… (Deuteronomio 4:29)

Deleita-te em mim e eu concederei os desejos do seu coração…(Salmos 37:4)

Porque Eu sou o que produz seus desejos… (Filipenses 2:13)

Eu pude fazer por você, muito mais do que poderia imaginar… (Efesios 3:20)

Porque Eu sou o sou teu maior consolador… (2º Tesalonicenses 2:16-17)

Quando teu coração está quebrantado, Eu estou perto de você… (Salmos 34:18)

Assim como o pastor que carrega a um cordeiro, Eu te carrego perto de meu coração… (Isaías 40:11)

Um dia Eu enxugarei cada lagrima de seus olhos e tirarei toda a dor que sofreu aqui nesta terra… (Apocalipsis 21:3-4)

Eu sou teu Pai, e te amei como a meu filho Jesus( João 17:23)

Porque em Jesus, meu amor por você foi revelado ( João 17:26)

Ele é a representação exata do que Eu sou… ( Hebreus 1:3)

Ele veio demonstrar que Eu estou contigo, e não contra você ( Romanos 8:31)

E também a dizer que Eu não estarei contando seus pecados(2º Coríntios 5:18-19)

Porque Jesus morreu para que você e Eu pudéssemos ser reconciliados … (2º Corintios 5:18-19)

Sua morte foi a máxima expressão de amor por você… (1º João 4:10)

Por meu amor por você, farei qualquer coisa que ganhe teu amor (Romanos 8:31-32)

Se você recebe o presente de meu filho Jesus, você me recebe… (1º Juan 2:23)

E nenhuma coisa poderá separar outra vez você do meu amor… (Romanos 8:38-39)

Volte a casa e participe da maior festa celestial que nunca você viu … (Lucas 15:7)

Eu sempre fui seu Pai e para sempre serei… (Efesios 3:14-15)

A pergunta é…Quer você ser meu filho?… (João 1:12-13)

Eu estou esperando por você… (Lucas 15:11-32)

Com Amor, Seu Pai Onipotente.

Deus.

terça-feira, 3 de maio de 2011

O que é o amor?


O que é o amor?

Numa sala de aula haviam várias crianças.
Quando uma delas perguntou à professora:
- Professora, o que é o amor?
A professora sentiu que a criança merecia uma resposta à altura da pergunta inteligente que fizera.
Como já estava na hora do recreio,
pediu para que cada aluno desse uma volta pelo pátio da escola e que trouxesse o que mais despertasse nele o sentimento de amor.
As crianças saíram apressadas e ao voltarem a professora disse:
- Quero que cada um mostre o que trouxe consigo
.A primeira criança disse:
- Eu trouxe esta flor, não é linda?
A segunda criança falou:
- Eu trouxe esta borboleta.
Veja o colorido de suas asas, vou colocá-la em minha coleção.
A terceira criança completou:- Eu trouxe este filhote de passarinho.
Ele havia caído do ninho junto com outro irmão.
Não é uma gracinha?E assim as crianças foram se colocando.
Terminada a exposição a professora notou que havia uma criança que tinha ficado quieta o tempo todo.Ela estava vermelha de vergonha, pois nada havia trazido. A professora se dirigiu a ela e perguntou:
- Meu bem, porque você nada trouxe?
E a criança timidamente respondeu:- Desculpe professora. Vi a flor e senti o seu perfume, pensei em arrancá-la, mas preferi deixá-la para que seu perfume exalasse por mais tempo.
Vi também a borboleta, leve, colorida!
Ela parecia tão feliz que não tive coragem de aprisioná-la.
Vi também o passarinho caído entre as folhas, mas ao subir na árvore notei o olhar triste de sua mãe e preferi devolvê-lo ao ninho.
Portanto professora, trago comigo o perfume da flor, a sensação de liberdade da borboleta e a gratidão que senti nos olhos da mãe do passarinho.
Como posso mostrar o que trouxe?
A professora agradeceu a criança e lhe deu nota máxima, pois ela fora a única que percebera que só podemos trazer o amor no coração e não em nada físico"

.Nós , homens e mulheres somos como aquelas crianças temos que levar vantagem em tudo , não importa a dor que ou a quem causamos , sejam nos negócios , no super mercado , com um vizinho , no trânsito ,buscamos sempre a nota máxima da esperteza e da ....
"EU FIZ , EU ACONTECI , EU , EU , EU...." .

Lembre-se que Deus lhe deu o mais puro dos sentimentos e o mais nobre de todos os dons , tire a nota máxima na escola da vida , aos olhos dEle .

Jesus um dia falou ... "em verdade vos digo que quem não receber o reino de Deus como criança , de maneira nenhuma entrará nele" (Mc 10:15)

Rotina ...



"No mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, Eu venci o mundo e vós vencereis também" (João 16:33)

"Estou cansada de trabalhar e ver todos os dias as mesmas pessoas no caminho; passar horas trabalhando, chegar em casa e meu marido sempre do mesmo jeito, com a mesma indisposição, a mesma comida para o jantar. Entro no banho e logo ele começa a reclamar, quero descansar e assistir minha novela, mas meus filhos não me deixam, porque querem brincar comigo, conversar, não entendem que estou cansada. Meus pais também me irritam algumas vezes. Trabalho, marido, filhos, pais e cuidar da casa, eles me deixam louca... "Quero Paz". A única coisa boa é dormir; ao fechar os olhos sinto um grande alívio, me esqueço de tudo e de todos...

- Olá vim te ajudar.

- Quem é você? Como entrou aqui?

- Sou um servo de Deus. Ele disse que ouviu suas queixas e que você tem razão.

- Isto não é possível, para isto eu teria que estar mo...

- Isto mesmo, você está! Agora não se preocupará mais em ver sempre as mesmas pessoas, nem por aguentar o seu marido com suas reclamações e sua indisposição, nem seus filhos que te irritam, nem escutará os conselhos de seus pais, e não terás mais qualquer casa para cuidar.

- Mas...que acontecerá com todos??? Com meu trabalho??? Com minha casa????

- Não se preocupe, no seu trabalho já contrataram outra pessoa para o seu lugar, e ela certamente está muito feliz porque estava sem trabalho.

- E meu marido, meus filhos???

- Ao seu marido foi dado uma boa mulher, que o quer muito bem, o respeita e o admira por suas qualidades, aceita gostos, defeitos e todas as suas reclamações. Além disso, ela se preocupa com seus filhos como se fossem filhos dela, de certo tem uma emoção muito grande já que é estéril. Por mais cansada que chegue do trabalho, dedica tempo a brincar com eles e agradar seu marido. Todos estão muito felizes.

- Mas, não quero isto!

- Sinto muito, a decisão foi tomada.

Mas isto significa que jamais voltarei a beijar o rostinho dos meus filhos, nem dizer "eu te amo" ao meu marido, e mostrar a eles o quanto são importantes na minha vida, nem dar um abraço nos meus pais.

- Não... não quero morrer, quero viver, envelhecer junto ao meu marido, fazer a viagem que a muito planejamos, colocar aquela roupa que comprei a mais de um ano, levar meus filhos ao passeio que sempre prometo, não quero morrer ainda...

Mas era o que você queria: descansar. Agora já tem seu descanso eterno, durma para sempre.

- Não, não quero, por favor, Deeeuuuuss...!

- Que aconteceu amor...? Teve um pesadelo? Disse meu marido me acordando com paciência e carinhosamente.

- Sim, um pesadelo horriv.... -- parei a frase ao meio, olhei em seu rosto, o seu semblante preocupado comigo, ali do meu lado, e então, sorrindo continuei -- Não meu amor, não tive pesadelo nenhum, tive um encontro com Deus, que nos ama, e que acaba de me dar uma nova oportunidade."

"Vinde a mim os cansados e oprimidos e Eu vos aliviarei" (Mateus 11:28). Só o Senhor "nos reveste de força e aperfeiçoa o nosso caminho" (Salmo 18:32).
Vamos dar valor ao que temos e agradecer a Deus por tudo em nossa vida, pois é Ele quem "de dia em dia nos carrega de benefícios. Bendito seja o Senhor!" (Salmo 68:19)

domingo, 1 de maio de 2011

Mantenha o Alvo


Uma das capacidades mais incríveis de Jesus era a de manter o alvo. Sua vida nunca saiu da direção correta…
Ele manteve sua vida no caminho certo.
Enquanto olhava além do horizonte de seu futuro, Jesus pôde ver muitos alvos. Muitas bandeiras agitadas ao vento, significando que ele poderia ter alcançado cada uma delas. Ele poderia ter sido um político revolucionário… Poderia ter sido feliz por ser um professor e formador de mentes…

Mas, no final, ele escolheu ser o Salvador e salvar almas.

Qualquer pessoa que esteve perto de Cristo por algum tempo ouviu do próprio Jesus: ” O Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido” (Lucas 19:10). O coração de Cristo estava implacavelmente focado em uma tarefa. No dia em que deixou a carpintaria de Nazaré, ele tinha um objetivo fundamental – a cruz do calvário. Ele estava tão concentrado em sua missão que suas últimas palavras foram: ” Está consumado!” (João 10:30)

Autor Max Lucado – Você, a idéia mais fantástica de Deus.

Perseverar


Sabendo da dificuldade que há no exercício do perdão, Pedro, o Apóstolo, pergunta a Jesus quantas vezes é necessário tal exercício, em relação ao próximo.

A resposta de Jesus convida-nos a um exercício constante, pois que o Mestre propõe que o perdão seja exercitado infindas vezes, representado na expressão de setenta vezes sete vezes.

O que Jesus dá a entender com essa expressão é que bons hábitos, assim como os menos nobres, se incorporam no nosso cotidiano através da insistência, da repetição, do exercício contínuo.

Alguém que consiga perdoar quatrocentos e noventa vezes, como aconselha Jesus, certamente, já terá incorporado o hábito de tal forma, que difícil lhe será não perdoar nas oportunidades seguintes.

Assim se dá com todos os hábitos saudáveis, positivos, bons, que queremos incorporar na nossa intimidade emocional.

Ninguém se transforma do dia para a noite, nem se santifica em breves momentos, apenas porque aceitou conceitos novos ou amadureceu valores de uma forma positiva.

Qualquer pessoa que decida se tornar melhor, precisa de uma companheira inseparável: a persistência.

Imagine-se querendo libertar-se da dependência do tabaco. Por mais que a decisão esteja tomada, por mais que o auxílio médico e terapêutico seja requisitado, sem a persistência no intento, não haverá sucesso.

Com os maus hábitos morais ocorre da mesma forma. Se desejamos nos tornar uma pessoa menos egoísta, ou menos orgulhosa, ou ainda, se o que nos incomoda é o fato de sermos muito arrogantes e gostaríamos de mudar a forma de agir, a persistência nos será desejada companheira.

Toda mudança exige esforço, energia, investimento. E é natural ainda que, ao percorrer a estrada para novos rumos, aconteçam tropeços, sintamo-nos um pouco perdidos ou, às vezes, até uma pontinha de arrependimento...

Afinal, antes era tão mais fácil, pensamos...

Nesses momentos, a perseverança será a ferramenta a nos empurrar à frente, a nos estimular o continuar da marcha, a dar a coragem para insistir no processo de mudança, de melhoria, de vir a ser.

Sempre haverão aqueles a nos desestimular o progresso. Pigmeus morais que o são, não tendo coragem de mudar a si, se incomodam em ver que outros se esforçam, tentam melhorar.

Como não têm coragem de fazê-lo, não querem que outros o façam.

Não nos deixemos levar pelo pessimismo de uns ou pelo desencorajamento de outros.

Toda mudança para melhor é desejo de Deus para conosco, pois como nosso Pai, deseja o melhor para Seus filhos. Mas como Pai amoroso, sabe que deve partir de cada um de nós a iniciativa e o esforço para sermos melhores.

Persistir no bem, insistir no esforço da melhora pessoal para que o bem ganhe espaço em nossa intimidade é investimento sábio a que todos devemos nos dispor, o quanto antes.

Somente através do esforço pessoal e individual é que conseguiremos trilhar o caminho para a construção da felicidade em nossa intimidade, quando sentimentos de baixa conta cederão espaço para luz e paz na nossa estrutura emocional.